Topo
Se Conselho Fosse Bom

Se Conselho Fosse Bom

Categorias

Histórico

“Me apaixonei por uma camgirl, mas não consigo aceitar o trabalho dela”

Karin Hueck

11/10/2019 04h00

Está precisando de um conselho? Mande a sua pergunta para se.conselho.fosse.bom@bol.com.br 

Cliente envolvidão

"Aconteceu de me envolver com uma Camgirl. Esta pessoa, assim como eu, é casada. E, depois de um certo tempo sendo seu cliente no site, acabamos nos envolvendo. Realmente estou gostando dela. Mas existe esse hiato entre nós que é esse trabalho que ela faz. Para mim, é muito difícil aceitar um relacionamento onde a pessoa que gosto está a disposição de outros para simulações sexuais. Sei que foi lá que a conheci e onde tudo começou, mas, diferentemente de seu marido, não consigo aceitar tamanha exposição. Sinto ciúmes. Tento controlar mas interfere no relacionamento. Fico extremamente desconfortável com a situação. Sei que muitas das coisas que ela faz é apenas uma simulação, mas acho que, como eu consegui ter acesso a ela, outros poderão fazer o mesmo. Isso me corrói. Temos um relacionamento gostoso, mas não confio nela. Já tentei separar, mas sempre voltamos a nos querer. Como faço para abandonar esta situação de vez?" Ass.: Voyeur apaixonado

Caro voyeur apaixonado,
Para conseguir responder à sua pergunta, vou ter que ignorar a informação mais importante da sua carta: o fato de que você é casado. Para poder focar no problema da camgirl, vou pressupor que você e a sua esposa tenham um relacionamento aberto, ou que ela saiba do seu envolvimento com outra pessoa. Caso contrário, a pergunta não é se você deve aceitar que a sua namorada seja uma camgirl — mas, sim, se a sua esposa aceita que você namore uma camgirl.
Então vamos lá.
Primeiro, você precisa entender o que exatamente espera do seu relacionamento com a camgirl. Se vocês dois são casados com outras pessoas, imagino que não seja um relacionamento que envolva filhos, natal com a família, passeio no shopping no domingo de tarde, boletos para pagar. Parece ser um relacionamento casual, com encontros esporádicos. Se você não vai assumir todas as contas dela, por que acha que ela deveria largar o trabalho? Também é difícil não pensar na ironia que é você tê-la conhecido como uma camgirl, ao mesmo tempo em que teme os outros clientes. O ponto central é que ela te conheceu assim, ganha dinheiro assim, tem um marido que a acolhe assim — então realmente não cabe a você "aceitá-la". Não dá para dizer que você foi pego de surpresa nessa. Se você não consegue se relacionar com alguém que se expõe na internet — depois de justamente tê-la conhecido enquanto ela se expunha na internet — a solução é bem simples: termine de vez, bloqueie no whatsapp, desligue a internet em casa. Não dá para ter ambas as coisas.

Veja também

Romance no trabalho

"No meu trabalho, circulo por quase todas as áreas para fazer entregas de documentos diversos. Numa dessas, entrei numa sessão onde estavam duas belas garotas, que eu conhecia só de vista, só de ir ao local entregar algo. Em uma dessas "visitas", Fulana que me atendeu perguntou meu nome, mas disse que foi em nome da amiga Ciclana, que também estava no local. Eu disse meu nome, e perguntei o da amiga, já que o de Fulana já sabia. Ciclana me falou o nome. Aí a Fulana que perguntou meu nome, perguntou se eu era casado. Disse que não, mas que "quem sabe um dia". Ambas sorriram, agradeci pelo atendimento e me retirei. A pergunta é: que conclusão tirar desse episódio? Adendo: Fulana é solteira. Ciclana é casada." Ass.: Beltrano

Caro Beltrano,
A conclusão é que Ciclana, mesmo casada e tudo, está a fim de pular a cerca com o rapaz que circula entregando documentos. Me parece uma péssima ideia se envolver com a mulher casada do seu trabalho — e eu apostaria 30 reais que você não é o único alvo dela. Foco total na Fulana, que, além de solteira, também é bela. Boa sorte!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Sobre a Autora

Karin Hueck é jornalista e escritora. Foi editora da revista "Superinteressante", colaborou para alguns dos maiores veículos do Brasil e tem 5 livros publicados.

Sobre o Blog

Se Conselho Fosse Bom é uma coluna de conselhos sentimentais, existenciais e práticos. Está com problemas no trabalho? Sua família te enlouquece? Não sabe se casa ou compra uma bicicleta? Mande as suas dúvidas para o se.conselho.fosse.bom@bol.com.br As respostas são 100% anônimas.

Se Conselho Fosse Bom