Topo
Se Conselho Fosse Bom

Se Conselho Fosse Bom

Categorias

Histórico

“Amo minha esposa, mas tenho um caso com meu primo há anos. O que faço?"

Karin Hueck

25/10/2019 04h00

Está precisando de um conselho? Mande a sua pergunta para se.conselho.fosse.bom@bol.com.br

Amo minha esposa, mas…

"Tenho 35 anos, sou casado, tenho um filho e sou muito feliz. Porém existe um detalhe. Ao longo da minha vida quase inteira, eu tive um caso com um primo meu. Isso mesmo, um primo. Ele também é casado, aliás. Nós não somos afeminados, mas desde a adolescência, com a história de troca-troca e novas experiências, rolou algo entre nós. E sempre foi muito bom. Já na fase adulta, ficamos muito tempo sem ficar e nos afastamos quando cada um seguiu o seu caminho. Mas sempre que nos encontramos acabamos ficando, e é bom demais. Porém nenhuma das esposas imagina e nem a família. O que fazer? Será que vamos viver a vida toda assim? Pois amamos nossas esposas, mas curtimos demais ficar juntos também. O que é isso?" Ass.: Amante do primo

Caro amante do primo,
Quem diria que ser amante do próprio primo é a nova febre da garotada, não é mesmo? Você me pergunta o que é isso que você está vivendo, e a resposta simples é "bissexualidade". Não tem nada a ver com ser afeminado ou não, ter filhos, estar casado ou ter parentesco próximo —  mas com o fato de que você se atrai sexualmente por pessoas de ambos os sexos. Essa é a parte fácil da sua carta. O seu problema de verdade é a relação com a sua mulher, que envolve uma grande camada de desonestidade desde o começo. Sinceramente, não acho que você vai parar de ter um caso com o seu primo – acredito, aliás, que esse ar de "coisa errada" tenha feito com que o relacionamento durasse tanto tempo. Pela sua carta, imagino também que a sua esposa não aceitaria esse terceiro elemento no casamento, caso ela descobrisse. No fundo, você sabe que — independentemente de vocês serem dois homens e serem primos – o que está acontecendo é que vocês estão enganando as suas mulheres. Talvez seja hora de assumir que o grande relacionamento da sua vida seja outra pessoa — uma que, no caso, tem 12,5% do DNA igual ao seu.


Veja também

"Conheci uma menina na balada e menti/omiti algumas informações da minha vida pra causar aquela boa impressão, como a empresa que trabalho, condição financeira, filhos. Se fosse coisa de uma noite apenas, estava ok. Acontece que nos apaixonamos e há 40 dias engatamos num namoro. Estou cada vez mais encurralado e angustiado por conta disso. Vou contando aos poucos, de uma vez, afasto, faço reset na relação e começo do zero?" Ass.: Mentira de perna longa

Caro mentira de perna longa,
Largue agora, nesse momento, imediatamente, o seu celular.

Largou?
Então vá voando para a sua namorada contar quem você é de verdade. Quanto mais tempo passar, maior a mentira vai se tornar, e a única chance que você tem de esse relacionamento dar certo é sendo completamente honesto com ela. Cada dia conta, então pare de procrastinar. Seja 100% honesto e não faça a besteira de "amenizar" os detalhes. Ainda assim, vá preparado para a possibilidade de ela não te perdoar — afinal, as mentiras que você contou (que aparentemente incluem omitir o gigantesco fato de que você tem filhos!) não foram pequenas. Ainda assim, é a melhor chance que você tem. Boa sorte.

Está precisando de um conselho? Mande a sua pergunta para se.conselho.fosse.bom@bol.com.br

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Sobre a Autora

Karin Hueck é jornalista e escritora. Foi editora da revista "Superinteressante", colaborou para alguns dos maiores veículos do Brasil e tem 5 livros publicados.

Sobre o Blog

Se Conselho Fosse Bom é uma coluna de conselhos sentimentais, existenciais e práticos. Está com problemas no trabalho? Sua família te enlouquece? Não sabe se casa ou compra uma bicicleta? Mande as suas dúvidas para o se.conselho.fosse.bom@bol.com.br As respostas são 100% anônimas.

Se Conselho Fosse Bom