Topo

Histórico

Categorias

“Socorro, meu melhor amigo tem bafo. Como conto para ele?”

Karin Hueck

23/08/2019 04h00

Como falar que alguém tem bafo?

"Um dos meus melhores amigos tem algum problema na boca e está sempre com um bafo… pesado. É difícil até de conversar perto porque o cheiro chega mesmo, aquele fedor. Pior que eu sei que ele escova os dentes, porque eu já vi. Acho que é por isso também que ele nunca tem uma namorada. Não queria ter essa conversa, mas alguém deveria dar um toque nele. Pensei em mandar um e-mail anônimo". Assinado: Boca fechada

Caro boca fechada,

Como você é um dos melhores amigos dele, acho que é a pessoa indicada para fazer esse sacrifício pelo bem da humanidade. Infelizmente, não tem como dar essa notícia sem ir direto ao ponto. Esqueça o e-mail anônimo, porque isso só vai fazer com que ele se sinta constantemente exposto: aposto que vai ficar se sentindo observado e julgado por todo mundo ao redor.

O segredo é fazer com que não pareça algo grave e pesado, nem dar indiretas. De preferência, conte uma mentirinha: diga que você só reparou no bafo na última vez em que vocês se viram. Dito tudo isso, aqui vai um roteirinho: "Cara, preciso te falar uma coisa que reparei na semana passada. Você tá com um pouco de bafo. Sei que você escova os dentes e tal. Então será que não é melhor você ver isso aí?" Prepare-se porque ele pode ter uma reação agressiva: te xingar, ficar na defensiva ou ir embora – o importante é você não entrar na discussão. Aí é torcer para que ele pense no que você falou e marque um dentista.

Veja também

 

Ter filho ou comprar uma bicicleta?

"Tenho 31 anos e meu marido 34. Ele está louco para ter um bebê, mas tenho medo de não conseguir balancear maternidade, casamento e carreira. Como ter uma família de comercial de margarina e ser uma mulher bem sucedida na carreira?" Assinado: Relógio biológico (dos outros)

Cara relógio biológico,

Bem-vinda à pergunta de 1 milhão de reais. Não acho que exista uma resposta fácil para ela. Como o filho vai ser gestado dentro do seu corpo e depois alimentado pelo seu peito, é inevitável que você passe por um período em que não estará 100% dedicada ao trabalho. E você tem toda razão em se preocupar. Em todos os países do mundo acontece o fenômeno chamado "penalidade materna", uma queda na renda das mulheres depois que elas têm filhos. Para só ficar nas nações ricas, vale olhar um estudo feito pelo economista Henrik Kleven, da Universidade Princeton: o nascimento de um filho causa uma perda salarial de até 26% para as mulheres nos países escandinavos, de 44% nos EUA, e de até 61% na Alemanha. Homens, por sua vez, costumam ser promovidos quando se tornam pais porque começam a ser vistos como mais "responsáveis" e "comprometidos" com o trabalho.

Como é o seu marido que está doido para procriar, acho que você pode negociar os termos da criação desse filho. Primeiro, deixar claro que todas as funções serão divididas: das mais simples como trocar fralda e dar banho, às mais complexas como decidir em que escolinha botar ou que tipo de comida ele vai comer. Determinar que vocês vão se revezar na hora de faltar no trabalho nos dias em que o bebê estiver doente e não puder ir pra creche. Vocês podem combinar, por exemplo, que depois que seu filho já tenha uma certa idade, vocês comecem a priorizar a sua carreira, para recuperar o tempo "perdido". Isso quer dizer, por exemplo, que você tenha mais disponibilidade de horários para trabalhar por períodos mais longos, enquanto ele fica com a criança. Tudo isso são sugestões, é claro, cada casal que sabe quais são os ajustes que podem ser feitos. Mas lembre-se sempre: no fundo, não são os filhos que desaceleram a carreira das mães, mas, sim, os parceiros que simplesmente não fazem a sua parte na criação das crianças.  

Sobre a Autora

Karin Hueck é jornalista e escritora. Foi editora da revista "Superinteressante", colaborou para alguns dos maiores veículos do Brasil e tem 5 livros publicados.

Sobre o Blog

Se Conselho Fosse Bom é uma coluna de conselhos sentimentais, existenciais e práticos. Está com problemas no trabalho? Sua família te enlouquece? Não sabe se casa ou compra uma bicicleta? Mande as suas dúvidas para o se.conselho.fosse.bom@bol.com.br As respostas são 100% anônimas.

Se Conselho Fosse Bom