PUBLICIDADE

Topo

Histórico

“Meu namorado está me pressionando a sair do armário. E agora?”

Karin Hueck

24/07/2020 04h00

Está precisando de um conselho? Mande a sua pergunta para se.conselho.fosse.bom@bol.com.br 

(Pexels)

Sempre tive relações com mulheres, mas de uns anos para cá me envolvi com um conhecido de infância. Ele tem um comércio na minha cidade e até já me ajudou a comprar um carro. Agora, ele quer que eu me posicione junto às outras pessoas,  assumindo o nosso relacionamento. Tenho um grupo de amigos e tenho certeza que serei limado caso assuma esse relacionamento. Estou muito confuso sobre qual rumo devo seguir. Me ajude.
– O segredo
– Caro segredo
Ninguém tem o direito de te tirar do armário ou pressioná-lo para que você o faça contra a sua vontade. Ao mesmo tempo, vocês têm um relacionamento de anos, e é compreensível a vontade dele de querer viver abertamente ao seu lado. O seu plano é viver em segredo para sempre? Você falou que esse grupo de amigos jamais te aceitaria, mas você não precisa fazer um anúncio público no meio de uma festa. Será que não existe nenhum amigo, amiga, irmão, irmã para quem você possa se abrir individualmente? Às vezes, as pessoas podem nos surpreender, e geralmente dá para reconhecer quem são aquelas que nos acolhem da maneira como nós somos. Comece contando para pessoas escolhidas e leve-as para conhecer o seu namorado separadamente. Se o seu grupo de amigos não aceita a maneira como você é, dificilmente serão bons amigos para você. Explique para o seu namorado que você precisa ditar o ritmo, mas que você o valoriza e quer inclui-lo na sua vida e que você vai fazer o melhor que pode nesse sentido.

 

Veja também

Escrevo com um grande problema que, como todos, começou pequeno. Por volta da segunda quinzena de março, quando a minha cidade entrou em quarentena, um senhor do prédio vizinho começou a tocar saxofone na sacada, com o nobre intuito de rezar para que Deus nos proteja da pandemia. Ele faz suas intervenções musicais sempre no mesmo horário, todos os dias, inclusive nos feriados e finais de semana. O pequeno concerto tem cerca de sete minutos de duração, mas são, possivelmente, os minutos mais insuportáveis da quarentena. Ele tem muito pouco talento musical e toca sempre a mesma música que, embora repetida desde março, ninguém consegue identificar qual é. Não sei como fazer para impedir que eu fique o resto do ano ouvindo a mesma canção porcamente tocada. Como faço? Estou realmente muito incomodada.
– Vizinha do terror
– Cara vizinha do terror
Eu sinto muito por você. Que desgraça ter que ouvir todos os dias a mesma música mal tocada. Imagino a tensão que você deve sentir na hora que o terror se aproxima. Acho que você deveria deixar um bilhete anônimo na portaria do prédio dele, endereçado a ele. Você pode fazer um pedido educado ou uma reclamação mal-criada ou inventar uma mentirinha dizendo que a música está deixando sua mãe idosa muito agitada, qualquer coisa que mexa com a consciência desse senhor muito cristão. Fica a seu critério. Na verdade, porém, suspeito de que nenhuma dessas estratégias vai ser eficiente em fazê-lo parar –alguém que está há quatro meses tocando saxofone na varanda tem plena consciência de que está invadindo o espaço alheio. Se não resolver, o jeito é prestar queixa na polícia. Motivos você tem de sobra.

Sobre a Autora

Karin Hueck é jornalista e escritora. Foi editora da revista "Superinteressante", colaborou para alguns dos maiores veículos do Brasil e tem 5 livros publicados.

Sobre o Blog

Se Conselho Fosse Bom é uma coluna de conselhos sentimentais, existenciais e práticos. Está com problemas no trabalho? Sua família te enlouquece? Não sabe se casa ou compra uma bicicleta? Mande as suas dúvidas para o se.conselho.fosse.bom@bol.com.br As respostas são 100% anônimas.